Classificação de bombas centrífugas


Dentro das bombas cinéticas temos as bombas centrífugas, que são aquelas em que a energia é cedida ao líquido pela ação da força centrífuga desenvolvida pela rotação de um disco com pás (rotor/impulsor), onde a vazão depende da geometria do projeto, da rotação e da pressão de recalque, sendo que qualquer manobra efetuada no sistema de tubulação vai afetar a vazão e a pressão de recalque da bomba.

As bombas centrífugas também podem ser classificadas segundo a trajetória (fluxo) do líquido bombeado pelo rotor/impulsor: 

Bomba centrífuga radial: O líquido entra no rotor/impulsor paralelamente ao eixo, sendo dirigido pelas pás para a periferia do rotor/impulsor e sai num plano perpendicular ao eixo. São indicadas para gerar mais pressão do que vazão.

Bomba de fluxo misto: O líquido entra no rotor/impulsor, atingindo a entrada das pás que são inclinadas em relação ao eixo, sendo dirigido pelas pás para a periferia do rotor/impulsor e sai num plano paralelo ou inclinado em relação ao eixo. São rotores onde a força centrífuga ainda é a principal responsável pela energia cedida ao líquido. São indicadas para vazões e pressões intermediárias.

Bomba axial : O líquido entra no rotor/impulsor, atingindo as pás e saindo na mesma direção do eixo. São indicadas para grandes vazões e pequenas alturas manométricas.

Nas bombas regenerativas ou periféricas, o líquido bombeado entra no rotor/impulsor atingindo a periferia das pás e é arrastado para fora através da rotação. São utilizadas em aplicações que necessitam de uma carga de pressão maior com uma vazão menor.

Fonte: Manual de treinamento Famac